SE RENDENDO AO SENHORIO DE CRISTO

coroa

Muitas pessoas afirmam convictamente que acreditam em Deus, mas que não precisam viver de acordo com a Sua palavra. Outras acham simplesmente que apenas reconhecê-Lo como o Criador do universo já é um requisito para serem salvas. Existem também aquelas que confiam nos seus próprios esforços para tornarem-se aptas a salvação.

Mas não é bem assim que a palavra de Deus fala. Vamos refletir um pouco acerca da história do jovem rico:

 “E perguntou-lhe um certo príncipe, dizendo: Bom Mestre, que hei de fazer para herdar a vida eterna?
Jesus lhe disse: Por que me chamas bom? Ninguém há bom, senão um, que é Deus.
Sabes os mandamentos: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, honra a teu pai e a tua mãe.
E disse ele: Todas essas coisas tenho observado desde a minha mocidade.
E quando Jesus ouviu isto, disse-lhe: Ainda te falta uma coisa; vende tudo quanto tens, reparte-o pelos pobres, e terás um tesouro no céu; VEM, E SEGUE-ME.
Mas, ouvindo ele isto, ficou muito triste, porque era muito rico.”

(Lucas 18:18-23).

Está ai a resposta: É necessário seguir e obedecer à Cristo! “Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me;”  (Mateus 16:24).

As riquezas deste jovem  atrapalharam o seu caminho para a vida eterna. E assim como ele, muitas vezes nós sabemos o rumo certo a ser trilhado, contudo, em algumas ocasiões, acabamos nos desviando da rota correta e enveredando por caminhos tortuosos (Sl 125:5) onde geralmente encontramos obstáculos que impedem nossas vidas de se renderem ao senhorio de Cristo.

A confiança em nossos próprios méritos é um dos motivos que nos afastam de uma vida em servidão ao Senhor. Não adianta tentarmos fundamentar a nossa salvação através de boas obras, pois somos salvos unicamente pela graça de Deus mediante a fé em Cristo (Ef 2:8-9). Nós jamais seremos bons o bastante para impressionar a Deus.

A fé proveniente da graça Divina desemboca em uma relação com o Senhor Jesus. No entanto, o relacionamento com Cristo não é baseado em barganhas, tampouco em sacrifícios. Ele já Se fez sacrifício perfeito na cruz (Hb 10:12), e requer apenas a obediência que Lhe é devida como Senhor de nossas vidas.

Gostaria agora de destacar sucintamente, três características dentre várias que ocorrem na vida de um pecador regenerado pela graça de Deus:

FRUTOS DO ESPÍRITO: Quando nos sujeitamos a Cristo passamos a abandonar as obras da nossa carne que desagradam a Deus, e começamos a exercer os frutos do Espírito Santo que habita em nós.
“Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito” (Gálatas 5:22-25).

SANTIDADE: O homem transformado não vive de todo jeito, ele busca a santidade para agradar ao seu Senhor que é Santo, Santo, Santo (Is 6:3). “Sede santos, porque eu sou santo” (1 Pedro 1 :16). Portanto, é para isso que Deus nos chama!
“Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor;” (Efésios 1:4).
“Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor;” (Hebreus 12:14).

BOAS OBRAS: Como já falei nesse texto, as boas obras não são condições para a salvação, contudo, são conseqüências da mesma. Certa feita o pastor Hernandes Dias Lopes disse o seguinte: “Não fazemos boas obras com o propósito de sermos salvos; fazemo-las porque já fomos salvos pela graça, mediante a fé”.
Na carta de Paulo aos Efésios, o Apóstolo diz: “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus, para as boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas” (Ef 2.10). Isso significa que devemos colocar  em prática nossa fé também através das boas obras. Na carta de Tiago a palavra de Deus fala que a fé sem obras é morta (Tg 2:26).

Então meus queridos leitores, a fé professada deve ser coerente com estes aspectos da conduta Cristã, se não estamos andando de acordo com o que professamos de nada vale. Não é o que postamos no Facebook ou nos blogs, não é o nosso ativismo dentro das igrejas. A postura de um Cristão deve ser refletida em todos os âmbitos da sua vida; seja na família, no trabalho, nos estudos, nos relacionamentos ou qualquer outra área.

Podemos até ludibriar homens através de uma falsa fé, todavia, de maneira alguma poderemos enganar  a Deus, pois um dos Seus atributos é a onisciência. No salmo 139 o salmista Davi diz: “SENHOR, tu me sondaste, e me conheces. Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Cercas o meu andar, e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos. Não havendo ainda palavra alguma na minha língua, eis que logo, ó Senhor, tudo conheces (Salmos 139:1-4).

Não podemos permitir que aqueles pecados que outrora cometíamos, atrapalhem nosso relacionamento com o Senhor. O jovem rico da passagem citada no inicio desse texto (Lucas 18:18-23), amava suas posses mais do que à Cristo. Não devemos amar o mundo nem as coisas do mundo, visto que são coisas passageiras (1Jo 2: 15,17). Se somos realmente novas criaturas, precisamos abandonar as coisas passadas (2 Co 5:17) e andarmos em novidade de vida (Rm 6:4).

É certo que nessa vida passageira jamais seremos perfeitos. Entretanto, mesmo em meio a toda nossa pecaminosidade, “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” (1 João 1:9). Quando abandonamos e nos arrependemos verdadeiramente dos caminhos perversos e pensamentos malignos, certamente Ele é rico em nos perdoar (Is 55:7).

Que possamos então, estar sempre se auto-examinando, para testificar se estamos de fato perseverando na fé (2Co 13:5). Se somos realmente guiados pelo Espírito Santo, sendo obedientes ao nosso Senhor e nos tornando filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus, “Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus.” (Gálatas 3:26). Que nós não sejamos como lobos em pele de cordeiro, Jesus disse: “Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis” (Mateus 7:19-20).

Estejamos, portanto, submissos ao senhorio de Cristo!

Rafael Durand
Facebook: https://www.facebook.com/RafinhaDurand

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s