Jesus e as nações: O verdadeiro Natal

“Contudo, não haverá mais escuridão para os que estavam aflitos. No passado ele humilhou a terra de Zebulom e de Naftali, mas no futuro honrará a Galiléia dos gentios, o caminho do mar, junto ao Jordão. O povo que caminhava em trevas viu uma grande luz; sobre os que viviam na terra da sombra da morte raiou uma luz.” (Isaías 9:1-2)

Hoje é véspera de Natal e essa sem dúvidas é uma das épocas do ano em que mais gosto, principalmente depois que consegui compreender de forma plena o que realmente significa essa data. Desde criança eu fui cristão e sempre soube que papai Noel não existia, bem como que o nascimento de Jesus é que era o verdadeiro significado do Natal. Mas confesso que mesmo sabendo de tudo isso, quando criança, uma das coisas que mais me faziam gostar do Natal era esperar para receber os presentes que eu ganharia dos meus pais e amigos.

Quando cresci e passei a estudar um pouco mais de teologia, logo passei a questionar o significado teológico do natal e se nós realmente deveríamos comemorar tal data. Inicialmente, quando eu era pentecostal (não sei porquê, mas muitos dizem que eu ainda sou, rsrs), logo encontrei uma série de “mensagens subliminares” nos principais símbolos natalinos. O papai Noel e seus duendes logo viraram símbolos demoníacos e não havia razão nem para montarmos árvores de natal ou fazermos decorações natalinas em nossa casa. Minha mãe chegou até mesmo a passar um bom tempo sem fazer isso.

Depois, quando passei a estudar teologia reformada travei um novo embate com relação ao Natal. O Natal é mesmo uma festa cristã ou é uma festa pagã? É correto haver culto de Natal? E quanto à realização de presépios? Enfim, todo esse tipo de discussão que é comum entre os círculos “reformados” nas redes sociais.

Sinceramente, com todo respeito, mas acredito que todos esses debates são inúteis. No último Natal, ao pensar sobre isso, me dei conta que ao me preocupar com eles eu nunca havia de fato celebrado o verdadeiro sentido do Natal e todas as implicações que ele deveria ter para nós cristãos.

Sou quase um graduado em Relações Internacionais e a minha linha de pesquisa acadêmica é a perseguição aos cristãos no Oriente Médio. Em minhas pesquisas, percebi que durante o período do Natal a perseguição aos cristãos tende a se acentuar  ao redor do mundo inteiro, despertando ainda mais ódio nos Estados e outros atores políticos hostis ao Cristianismo. É geralmente nesse período em que as políticas de repressão aos cristãos na China aumenta, bem como os ataques de grupos terroristas islâmicos a igrejas na África e no Oriente Médio.

 Ano passado, foi durante o Natal que uma igreja foi bombardeada no Paquistão, deixando milhares de mortos. Em 2012, o Boko Haram, grupo extremista islâmico, realizou uma série de ataques contra igrejas e vilas cristãs por toda a Nigéria. Em 2011 no Egito, outra igreja também foi bombardeada uma semana após o Natal, na véspera de ano novo.

Todos esses eventos me fizeram questionar o que o Natal realmente significa e  inevitavelmente fui levado a refletir sobre o texto de Isaías 9 sobre o nascimento do Príncipe da Paz. Esse texto é muito conhecido e geralmente é citado agora nesse período de Natal. Eu sempre recorria a ele ao saber de tragédias como essas que tem ocorrido aos cristãos do Oriente Médio. Mas ainda não havia reparado o seu significado tão especial, sobretudo no Natal e tendo em vista esses acontecimentos recentes.

Logo no primeiro versículo o profeta Isaías afirma que um território específico de Israel que estava em grande aflição e que durante muitos anos havia sido desprezada iria ver grande luz e que essa luz tornaria glorioso o caminho do mar, além do Jordão, na Galileia dos gentios. Ou seja, esse texto é uma profecia sobre o nascimento de Jesus e foi exatamente na Galileia em que Jesus viveu e desempenhou grande parte do seu ministério, como nos mostra Mateus 4.12-17.

É no fato de Jesus ter vindo ao mundo e desempenhado o seu ministério na Galileia, junto aos gentios em que encontro o verdadeiro significado do Natal.

No Antigo Testamento a salvação era praticamente exclusiva ao povo judeu, mas ainda assim Deus já usava os seus profetas como Isaías para anunciar o seu plano de extender a salvação a todas as nações da terra e isso só poderia acontecer através de Jesus. Esse é o verdadeiro Natal. É Jesus vindo ao mundo para trazer a esperança da salvação a todas as nações. É por isso que Isaías profetiza que Jesus viveria na Galileia, uma região que além de ser perto do mar, continha muito gentios, ou seja, pessoas de outras etnias além dos judeus.

 A palavra “gentios” no hebraico é “goyim”, que no grego é traduzido como “ethne” e é a plavra usada por Jesus ao comissionar os seus discípulos a pregar o Evangelho a todas as nações. Ou seja, desde o início, a razão de Jesus vir ao mundo era para salvar os eleitos de Deus de todas as nações e é isso o que deveria tornar o Natal uma data tão especial para nós. Diante de um ano como esse de 2014 em que vimos tantas coisas horríveis acontecendo nas nações, como os conflitos no Oriente Médio e a epidemia de Ebola na África, podemos, no Natal descansar diante da certeza de que temos um salvador. Temos alguém que realmente é o Príncipe da Paz e pode trazer um fim a todos os problemas da humanidade.

Pensar o significado do Natal como a vinda de Jesus para salvar as nações, além de trazer conforto aos nossos corações diante de tudo o que temos vivido, também deveria nos despertar para desejarmos ainda mais que ele retorne ao mundo outra vez, a fim de restaurar todas as coisas e trazer a paz sem fim. Mas novamente a sua vinda ao mundo está ligada ao destino das nações. Jesus falou em Mateus 24.14 que para que Ele retornasse era necessário que o Evangelho fosse pregado a todas as nações do mundo. Nesse Natal, ainda há cerca de 7.000 povos que nunca ouviram o Evangelho e que por mais um ano não conhecerão o verdadeiro significado do Natal, que é a esperança da vinda de Jesus.

Por isso, que neste Natal, não nos esqueçamos o verdadeiro significado dessa data tão especial. Que sejamos lembrados da vinda de Jesus e seu propósito de salvar as nações. Que isso nos leve a orar e nos solidarizarmos como nossos irmãos que sofrem perseguição ao redor do mundo e que muito provavelmente sofrerão ainda mais nesse Natal, apenas por entenderem que Jesus é o Príncipe da Paz. Ao mesmo tempo, que nesse Natal, ansiemos para que Jesus volte novamente e nos empenhemos em fazer com os 7.000 povos não alcançados também entendam qual é o verdadeiro natal.

Igor Sabino                                                                                                                             https://www.facebook.com/igorhsabino

Anúncios

1 comentário

  1. Graças a Deus, podemos comemorar o Natal aqui em paz, por um momento. Todavia, como o Igor escreveu, devemos nos solidarizar e orar pelos nossos irmãos perseguidos e fazer a nossa parte em pregar o evangelho a toda criatura. Porque Jesus morreu e ressuscitou, temos a esperança da salvação e o perdão de nossos pecados. Vamos levar essa boa notícia a todos os povos, não somente pela internet, mas, principalmente, pelo testemunho de nossas vidas, no dia-a-dia e em viva-voz. Sejamos sal e luz neste mundo tenebroso e lutemos juntos pela fé de uma vez por todas entregue aos santos, a fé do evangelho (Jd 3; Fp 1:27).

    Graça, paz e amor da parte do nosso Deus e amado Salvador de nossas almas.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s